A Atual Crise e a Política Externa Brasileira.

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

12345Se você abrir agora a página de qualquer jornal de notícias brasileiro, a primeira notícia será, muito provavelmente, algo relacionado à nossa economia e à tão falada crise que nós estamos passando. Como nós chegamos a ela, como sair e (o que todos sempre gostam) os seus culpados, são assuntos que poderiam preencher alguns posts, por isso não vou me concentrar nisso. Pretendo aqui brevemente analisar como a nossa atual situação econômica pode estar influenciando a nossa política externa, para o bem e/ou para o mal.

12345Primeiramente, acho importante começar dizendo que a nossa atual política externa vem sofrendo várias críticas no meio acadêmico de relações internacionais, as quais variam desde as escolhas do governo quanto aos seus aliados políticos e econômicos até o relativo abandono de ideias e ações desenvolvidas pelo próprio, como a “Responsabilidade ao Proteger” (Responsibility While Protecting — RWP) desenvolvida pelo ex-Ministro Patriota na Assembleia Geral da ONU em 2011. Alguns acusam o Itamaraty de ser pouco ativo, outros de a Presidente não dar a devida atenção ao assunto. Não sei quem está certo, mas eu acho que a questão econômica é uma variável muito importante, porém não tão explorada, para explicar esse possível declínio de uma política externa considerada ativa durante o governo do Presidente Lula para uma avaliada como estagnada no governo da Presidente Dilma.

12345Em grande parte da história dos países, podemos perceber uma grande relação entre economia e política externa. Governos que vivem um boom econômico tendem a ter uma política externa mais ativa que Estados que estão em uma recessão. Assim como, países que querem sair de uma crise tentam se aproximar ou barganhar com mercados em crescimento ou estáveis. Isso ficou claro com a Crise de 1929, quando quase todos os países do mundo entraram em recessão e as suas economias se voltaram para dentro, diminuindo por alguns anos as relações comerciais. O impacto no Brasil foi uma crise política que levou à Revolução de 30 e à assunção de Vargas, à queima de café e o início do modelo nacional-desenvolvimentista que priorizava o nacionalismo e a industrialização do país. Posteriormente, e em sentido contrário, o crescimento econômico no final dos anos 50, os chamados “Anos Dourados” e a década de 70, quando o Brasil passou pelo “milagre”, com taxas de crescimento chegando a 10% ao ano, se desdobraram em políticas externas ativas, como o início da “Política Externa Independente” dos governos Jânio Quadros e João Goulart e o “Pragmatismo Responsável” do governo Geisel. Por fim, o nosso crescimento nos anos Lula por conta do alto preço das commodities nos elevou ao mesmo patamar de economias emergentes como China e Índia. Em todos esses momentos, por diversos motivos, a nossa política externa foi considerada ativa.

12345Porém, gostaria de lembrar que isso não é uma regra geral, é claro que existem exceções, já que só a economia não define toda a estratégia política e comercial de um governo. A vontade política e as tendências pessoais dos tomadores de decisão dentro do Estado são extremamente importantes para a condução de uma política externa. O ex-Presidente Lula tinha a sua política externa como uma pauta importante, usando da sua figura considerada carismática para estabelecer canais diplomáticos preferenciais diretamente com outros chefes de Estado, o que é normalmente chamado de “diplomacia presidencial”. Contudo, isso é parcialmente modificado com a eleição da Presidente Dilma em 2010, que acabou demonstrando pouco interesse pela pasta. Isso gerou uma série de críticas ao Itamaraty por conta da sua relativa inatividade e falta de dinheiro para poder fazer o seu trabalho.

12345Hoje, entretanto, vivemos uma crise da política externa diferente da que nos encontrávamos nos últimos anos. Em minha opinião, a considerada falta de atuação do Ministério está relacionada com os sérios problemas econômicos que o Brasil está vivendo, os quais não são ignorados internacionalmente. Aliás, o Itamaraty está sendo fortemente atingido pelos cortes orçamentários, o que diminui o seu prestígio[1]. Grandes jornais e revistas internacionais como o The Wall Street Journal, The New York Times e The Economist têm publicado vários artigos sobre a nossa economia, e as previsões não são boas. Assim, acredito que os vários escândalos de corrupção, sendo o mais famoso a Operação Lava-Jato, uma crise energética, a inflação subindo, o país parando de crescer e o déficit fiscal acabaram comprometendo a nossa política externa. A nossa ação internacional hoje, a meu ver, é tentar melhorar a confiança dos investidores e das principais economias do mundo para que eles voltem a investir no Brasil.

12345Alguns exemplos da nossa política externa hoje seriam: 1) a viagem da Presidente Dilma aos EUA (a qual estava sendo adiada desde os escândalos de espionagem em junho de 2013) onde ela se encontrou com investidos americanos, membros do governo e o meio acadêmico e assinou uma série de acordos abordando vários temas, dentre eles comércio e defesa[2]; 2) a assinatura de um acordo de cooperação do Brasil com a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), o chamado “clube dos ricos” composto pelos países mais desenvolvidos[3]; 3) a tentativa de voltar às negociações sobre o mega-acordo de livre-comércio entre MERCOSUL e União Europeia[4]; 4) os 35 acordos firmados com a China (maior parceiro comercial brasileira) no valor de mais de US$ 53 bilhões[5]; e 5) a visita-relâmpago da Chanceler[6] alemã Angela Merkel ao Brasil, o que fez com que nós entrássemos no seleto grupo dos parceiros mais próximas da Alemanha, junto apenas com: França, Itália, Espanha, Polônia, Israel, Rússia, China e Índia[7]. Por essas ações, a revista inglesa The Economist chamou o nosso atual chanceler, Embaixador Mauro Vieira, de “hiperativo” [8].

12345Inclusive, já li comentários, os quais eu concordo, dizendo que o Ministro Vieira foi escolhido pela Presidente por conta da sua competência e por ter boas relações no meio empresarial e político em Washington D.C. e Buenos Aires (principais mercados e aliados do Brasil), já que ele foi embaixador nesses postos antes de assumir o Ministério. Logo, a sua escolha foi uma tentativa de melhorar a relação do Brasil com os investidores internacionais.

12345Assim, em minha opinião, os nossos atuais problemas econômicos forçaram o Executivo a ser mais atuante nas suas relações exteriores numa tentativa de conseguir o apoio internacional. Mesmo assim, a política externa parece apagada para nós brasileiros. Mas isso não é culpa do Itamaraty, a meu ver. Como eu tentei mostrar, o Ministério hoje tem uma política realista. Contudo, ela é dificultada e eclipsada pela atual crise econômica e política que vivemos. Por isso, enquanto o Brasil não organizar a sua casa economicamente e se tornar confiável para o mercado externo, a nossa reputação e atuação internacional estará comprometida. E de nada serve jogar a culpa nos nossos diplomatas e representantes, eles não são culpados, eles são vítimas do atual problema econômico, político e institucional que vivemos.

Referências:

[1] CELESTINO, Helena. Diplomacia sem dinheiro. O Globo, Rio de Janeiro, 19 ago. 2015. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/mundo/diplomacia-sem-dinheiro-17231054>. Acesso em: 20 ago. 2015.

[2] CORRÊA, Alessandra; FELLET, João. Seis resultados da visita de Dilma aos EUA. BBC, Rio de Janeiro, 30 jun. 2015. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/06/150630_resultados_visita_dilma_obama_ac_rb>. Acesso em: 2 set. 2015.

[3] BRASIL assina acordo de cooperação com a OCDE. G1, Rio de Janeiro, 4 jun. 2015. Disponível em: <http://g1.globo.com/economia/noticia/2015/06/brasil-assina-acordo-de-cooperacao-com-ocde.html>. Acesso em: 2 set. 2015.

[4] JIMÉNEZ, Carla; PÉREZ, Claudi. Mercosul pressiona União Europeia para avançar com acordo bilateral. El País, São Paulo, 10 jun. 2015. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2015/06/11/politica/1433979885_736329.html>. Acesso em: 9 jul. 2015.

[5] DIAS, Marina; FOREQUE, Flávia. Brasil e China confirmam acordos de mais de US$ 53 bi e ajuda à Petrobras. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 maio 2015. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/05/1630920-brasil-e-china-assinam-acordos-de-mais-de-us-53-bilhoes.shtml>. Acesso em: 2 set. 2015.

[6] Na Alemanha o termo “Chanceler” equivale ao Primeiro-ministro, não ao Ministro das Relações Exteriores como no Brasil.

[7] SCHREIBER, Mariana. O que significa a entrada do Brasil no seleto grupo de parceiros da Alemanha? BBC, Brasília, DF, 19 ago. 2015. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/08/150819_angela_merkel_visita_brasil_rb_ms>. Acesso em: 10 set. 2015.

[8] MAKING friends again. The Economist, Londres, 4 jul. 2015. Disponível em: <http://www.economist.com/news/americas/21656697-unpopular-home-dilma-rousseff-yearns-foreign-successesand-luckily-plenty-other>. Acesso em: 20 ago. 2015.

Anúncios

5 comentários sobre “A Atual Crise e a Política Externa Brasileira.

  1. O autor, a quem agradeço esse post interessante, tem razão de defender a função e a posição do diplomata, que neste momento é “vítima do atual problema econômico, político e institucional que vivemos”. Quando a qualidade dívida do país está sendo avaliada a níveis baixos, a voz desse país na arena mundial, é óbvio, pesa menos. No entanto, os países em desenvolvimento sempre tiveram, e terão, problemas ligados precisamente ao desenvolvimento. Isso não os impediu e não os impede de defender causas meritórias no âmbito do planeta, frequentemente com escuta e consequências. A razão, creio, se encontra no fato de que além e aquém da variável econômica, há um elemento estratégico. Na área internacional, vale o que somos, é claro, mas vale também o que queremos ser e como estamos agindo para transformar uma ideia numa realidade.

    Flavio da Silveira

    Curtido por 1 pessoa

    • Muito obrigado pelo comentário! Eu concordo com você, países em desenvolvimento sempre tiveram problemas econômicos e mesmo assim possuíam políticas externas. Porém, eu acredito que a falta de vontade política ou crises econômicas sérias afetam negativamente a inserção de um país internacionalmente, principalmente os países em desenvolvimento. Por exemplo, a política externa brasileira dos anos 80 é muito menos estudada e conhecida se comparada com a do Geisel e do Chanceler Silveira ou com a política do Fernando Henrique Cardoso e do Ministro Lampreia. A grave crise econômica da chamada “década perdida” minimizou as pretensões brasileiras internacionalmente por 10 anos, mesmo que as nossas ações não tenham se modificado radicalmente (por isso, já ouvi acadêmicos dizendo que o Pragmatismo Responsável só teria acabado no governo Sarney, o que eu discordo).
      Assim, eu acredito que crises econômicas em países em desenvolvimento têm um impacto muito grande na condução das suas políticas externas. Hoje, o Brasil está passando por uma dessas crises, a qual não se limita só à economia, mas também à política e à disputa de poder interno. Por isso, eu acho que apesar das várias tentativas, a atual política externa brasileira está sem bases para se tornar tão visível quanto era no período Lula, FHC ou Geisel. Não sei se você concorda, mas eu acho esse fator econômico importante para entender a atual política do governo.

      Grande e saudoso abraço,

      Sergio da Silveira.

      Curtir

      • Concordo plenamente. A sua análise é sutil e aprofundada. No meu comentário, mais lapidar, até simplista, procurei ressaltar o fato de que, no largo prazo, a diplomacia não pode se esconder atrás da conjuntura. Ela tem de ter uma visão estratégica, creio, para realizar algum progresso no diálogo dos povos.

        Abraço forte

        Flavio da Silveira

        Curtido por 1 pessoa

        • Concordo também com esse ponto, uma política externa deveria ter uma visão de longo prazo e como um meio para atingir os objetivos e interesses nacionais. Porém, como no primeiro mandato da Presidente Dilma o Itamaraty não teve a defida importância, pode ser que os atuais diplomatas estejam tendo que criar algo novo para responder a essa emergência econômica. Essa medida talvez seja mantida no futuro, passando a incorporar a nossa política externa e se tornando uma estratégia de longo prazo. Temos que esperar.

          Grande abraço,

          Sergio da Silveira.

          Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s