12 de setembro: descubra o que os muçulmanos no mundo inteiro estão comemorando apenas um dia após os 15 anos do atentado às Torres Gêmeas

por Thaís Queiroz

Você sabia que os muçulmanos do mundo inteiro estão comemorando algo hoje? Eu também não sabia. E você acha que esta comemoração tem algo a ver com os atentados de 11 de setembro, que fizeram 15 anos ontem, por conta do que você acabou de ler neste título? Eu também acharia. Mas este título é o que se costuma chamar de “desonestidade intelectual”. Uma sacanagem para confundir mentes desinformadas que o sensacionalismo das notícias hoje adora fazer com um objetivo traiçoeiro e só dá mais pano para o toldo do preconceito.

Se formos reler o título, veremos que nenhuma mentira foi contada diretamente. Os muçulmanos do mundo inteiro realmente estão comemorando algo hoje e hoje realmente faz apenas um dia do aniversário de 15 anos Continuar lendo

Anúncios

Em busca das relíquias perdidas

por Clarissa Reis Guimarães.

Após o texto extremamente bem escrito do Franco, não pude deixar de aproveitar o gancho para falar do meu objeto de pesquisa e da minha paixão de infância: antiguidades e obras de arte. Sou daquelas que adora um museu e me esbaldo quando viajo para algum lugar e posso ter o contato com todo aquele clima de sabedoria, de reverência e opulência relacionada ao passado.

O único problema, que aprendi com a pesquisa, é que nesse mundo, nem tudo é o que parece.

Continuar lendo

Jogando Petróleo no Ventilador Parte 2

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

12345Minha vez. Vou me focar em outras regiões, principalmente as consequências para o Irã, Síria, Estado Islâmico (EI ou ISIS, sigla em inglês para Islamic State of Iraq and Syria), Rússia, China e Japão. Vou começar pelo mais complicado, pelo Oriente Médio. Acho importante fazer um pequeno resumo do ator que nós tanto falamos, a Arábia Saudita. O Reino da Arábia Saudita se consolidou como país em 1932, mas só descobriu petróleo em 1938. Hoje, ele é o maior produtor de petróleo do mundo (16% da produção mundial), uma das maiores reservas existentes, 266 bilhões de barris[1], e líder político da OPEP. O maior aliado árabe do Ocidente é uma monarquia regida pela religião sunita wahabista (vertente ultraconservadora do islamismo sunita), sua constituição é a sharia (lei islâmica baseada no Alcorão), todo o poder está concentrado nas mãos do Rei, não existem partidos políticos e as minorias são perseguidas/marginalizadas (como prevê o wahabismo). Essas características ajudam a explicar algumas das nossas suposições para o país manter o preço do petróleo baixo. Continuar lendo

O Revanchismo Jordaniano

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão

            Desde o ano passado o mundo ouve falar do grupo terrorista Estado Islâmico (EI ou ISIS, sigla em inglês para Islamic State of Iraq and Syria), como ele atua, financia seus ataques, rapta seus inimigos e mata inocentes. Isso levou os EUA a liderarem uma coalizão de mais de 30 países que atacam as posições desse grupo no Iraque e na Síria e/ou enviam ajuda financeira e humanitária para a região[1]. Porém, sob fortes desaprovações, a Jordânia (que faz parte dessa coalizão) decidiu negociar unilateralmente com o ISIS, a vida de um piloto jordaniano por uma mulher-bomba iraquiana. Alguns dias depois, dia 03/02/15, ficamos mais uma vez chocados quando as negociações falharam e foram postadas imagens na Internet do piloto sendo queimado vivo. Isso levou a resposta jordaniana de iniciar novos e mais enfáticos ataques ao grupo nos dois países que eles atuam. Continuar lendo

Epitáfio Saudita

por Carol Grinsztajn

     Quem se deparou com as condolências dos grandes líderes mundiais na ocasião da morte do Rei Abdullah da Arábia Saudita  possivelmente ficou em dúvida se quem havia morrido era mesmo o monarca absoluto de um país onde mulheres são negadas direitos básicos e apedrejamentos são punições cotidianas. O rei foi chamado de “modernizador” “comprometido com a paz”, “um homem de sabedoria e visão” e um “amigo genuíno”.  Tudo isso na mesma semana em que a Arábia Saudita aparecia nas manchetes do mundo pela pena de chibatadas de um blogueiro oposicionista e pela decapitação de uma mulher acusada de matar a enteada.  Essas contradições levantam questões sobre um país dirigido por uma elite político-religiosa que segue uma das linhas mais fundamentalistas do islã, bem como sobre as relações entre a Arábia Saudita, seus vizinhos regionais e seus aliados ocidentais. Continuar lendo

ISIS e as Negociações entre o P5+1 e o Irã

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão

12345Duas semanas atrás, dia 14 de outubro, o Secretário de Estado norte-americano John Kerry, a Chefe de Política Externa da UE Catherine Ashton e o Ministro das Relações Exteriores do Irã Mohammad Javad Zarif, se reuniram em Viena para mais um rodada de negociações para se conseguir chegar ao Acordo Nuclear Compreensivo (Comprehensive Nuclear Agreement) sobre o programa nuclear iraniano. Esse acordo deveria ter sido firmado em julho, mas foi adiado para novembro porque as partes não chegaram a um consenso sobre o seu conteúdo e a sua dimensão. De acordo com o The Washington Post[1], essa reunião foi muito importante, mas muitas questões e problemas ainda precisam ser resolvidos até o deadline, 24 de novembro de 2014. Um oficial do Departamento de Estado afirmou que os EUA acreditam que tal acordo possa ser atingido até o final do ano. Continuar lendo