Mulheres da Vila Autódromo

por Marina Sertã

Estar na Vila Autódromo, ou mesmo o caminho para lá, passa por testemunhar vários tipos de imponência. Começa pela imponência da arquitetura da Barra da Tijuca, com seus prédios, centros empresariais e shopping centers monstruosos e suas largas avenidas. Passa pelas construções do parque olímpico, com uma arena enorme para cada modalidade de esporte, e pelos gigantes espelhados sendo erguidos próximos a Vila. Até chegar às casas, as que foram e as que são. E recai sobre a imponência do silêncio dos espaços que há pouco guardaram vidas e das casas que ainda resistem.

Mas talvez a maior imponência na Vila Autódromo seja – mesmo com seus espaços que contam histórias, mesmo com as suas casas que lutam desafiam todo poder da autoridade e do dinheiro – a das mulheres.

Não há como não entrar na Vila Autódromo e não ser agraciado com uma bênção da Dona Penha, uma palavra de carinho da Nathália, um abraço da Sandra Maria, um sorriso da Sandra Regina. É impossível deixar passar as presenças da dona Denise e Dalva. É impossível não se perceber a firmeza da Rafaela e a paz da Sofia Valentina. Admirar tudo o que representa a Heloísa Helena e a perseverança da Conceição. E tantas outras imponências mais de tantas outras mulheres.

Ser mulher e acompanhar a luta de resistência da Vila Autódromo é encontrar modelos dessa imponência que se coloca das mais diferentes formas. Dessas mulheres que são maiores que os prédios espelhados e complexos esportivos que as cercam. Que têm uma presença mais forte que todas as centenas de guardas municipais que cercam as casas a serem demolidas. Que têm uma voz mais alta que todos o microfones e alto-falantes.

Ser mulher e apoiar a luta de resistência da Vila Autódromo é me curvar diante dessas mulheres-entidades e tomar cada momento na presença delas como aprendizado. É aprender a força que permanecer demanda. É aprender um significado para ‘permanecer’ que nada tem a ver com inércia, mas com a força sobre-humana de uma luta diária. É aprender que ter fé é rezar, acreditar, confiar e, sobretudo, lutar. É testemunhar sorrisos e carinho nos momentos mais inconsoláveis, e entender a que é deles que vem a força para superá-los.

Hoje, na ALERJ, um pouco dessa imponência é reconhecida, em uma homenagem a ser prestada a dona Penha. O que eu desejo para a dona Penha – assim como a todas as mulheres da Vila Autódromo – é que além das homenagens, elas tenham respeitado o seu direito de permanência nas suas casas. E o que eu desejo para todas nós, é o privilegio de continuar aprendendo com elas.

[edição] Hoje, pela  manhã, minutos depois da postagem deste texto, recebemos a notícia que, além da homenagem, dona Penha também receberia a demolição de sua casa.

Viva a Vila Autódromo!

Participe do 1º evento de urbanização comunitária da Vila Autódromo!

Acompanhe a agenda de eventos na Vila Autódromo.

Assine a panela de pressão para Urbanização da Vila Autódromo.

Aceite o Desafio #UrbanizaJá

Remoções: Vila Autódromo

por Marina Sertã

A luta de resistência da Vila Autódromo tem passado por momentos cruciais nas últimas semanas. Na última semana, a sede da Associação de Moradores foi demolida e as casas das moradoras Maria da Penha Macena e Rafaela Silva estão sob a mesma ameaça. Neste contexto, moradores e apoiadores lançam campanhas para a conscientização e mobilização da população em geral sobre a luta da Vila Autódromo. Neste texto, eu busco trazer informações essenciais sobre essa luta de resistência para os que têm recentemente entrado em contato com ela. Continuar lendo