O Próximo Presidente dos EUA: Donald J. Trump. E Agora?

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão. (Atualizado em 12 dez. 2016, às 17h43min).

            Desde o ano passado, ouvimos e vemos notícias (e escândalos) sobre as eleições norte-americanas. Inicialmente, todos achavam que a disputa seria entre Hillary Clinton, ex-Secretária de Estado e senadora, pelo Partido Democrata e Jeb Bush, ex-governador da Flórida, pelo Partido Republicano ou GOP (sigla em inglês para Grand Old Party). Contrariamente, outros candidatos surgiram, ao longo desse tempo, e contestaram essas posições. Nos democratas, o senador independente Bernie Sanders quase derrotou Hillary na indicação do partido como candidato à presidência. No lado dos republicanos, o bilionário Donald Trump e os senadores Ted Cruz e Marco Rubio cresceram nas pesquisas e nas primárias, fazendo que o ex-governador da Flórida desistisse logo da corrida presidencial. Depois de meses, Trump tornou-se o indicado pelo Partido. Nessa disputa, entre Hillary e Trump, as pesquisas indicavam que Clinton tinha mais de 80% de chance de ganhar[1]. Em contrapartida, anteontem, dia 9 de novembro de 2016, Donald J. Trump foi eleito presidente dos EUA, para a surpresa de todo o mundo (literalmente). Mas, o que a vitória do candidato republicano vai mudar no mundo? E o que aconteceu para essa reviravolta política? Bom, não sei se vou conseguir responder a essas questões, mas espero compartilhar algumas ideias sobre os resultados de anteontem.

(CNN) Donald Trump em seu discurso da vitória na madrugada de quarta-feira, dia 09 de novembro de 2016.

(CNN) Donald Trump, ao centro, em seu discurso da vitória na madrugada de quarta-feira, dia 09 de novembro de 2016. À esquerda, seu vice Mike Pence, ex-governador do estado de Indiana, e, à direita, seu filho mais novo Barron Trump.

Continuar lendo

Anúncios

Entendendo as (complicadas) eleições americanas e as propostas de cada candidato

por Franco Alencastro e Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

Na terça feira, 1º de março, ocorreu a Super Terça, nos EUA. A votação do Partido Republicano, simultânea com a do Partido Democrata, viu o controverso bilionário e apresentador de reality shows Donald Trump conseguir uma vitória impressionante: levou 7 dos 11 estados em disputa, com margens variando de 33% a 49%, se saindo bem em estados como Alabama, Massachussets e Tennessee. Mais impressionante ainda, na primária do Partido Democrata, Hillary Clinton, que até então enfrentava algumas dificuldades frente ao seu principal competidor, o Senador Bernie Sanders, conseguiu vitórias acachapantes em 7 dos 11 estados, com margens mais do que seguras: entre 64% (Virgínia) e 78% (Alabama). Sanders só se destacou mesmo em seu pequeno estado natal, Vermont, onde conseguiu 86% dos votos, e mais 3 estados.

Espera, mas o que tudo isso quer dizer? Todos esses números? A Hillary foi eleita presidente dos EUA? Ou o Trump (pelo amor de Deus, não diga que é o Trump)? Calma, calma. Não é nada disso. O que acontece é que o sistema americano para eleger o presidente é complicado – muito mais complicado que o nosso, por  exemplo. Continuar lendo

Disputa Marítima entre Israel e Líbano e o contingente brasileiro nessa fronteira

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

           O Oriente Médio é uma região muito complexa, acho que podemos concordar com isso. Uma vez ouvi uma professora, especialista na região, dizendo que se você acha o Oriente Médio confuso, então você está no caminho certo. Algumas das suas questões datam de milênios e algo novo acontece toda semana, tornando-as mais complexas. Meu objetivo neste post é adicionar mais um fator complicador: a disputa entre o Estado Israel e a República Libanesa pela delimitação da fronteira marítima entre os dois países e, por conseguinte, da extensão da Zona Econômica Exclusiva (ZEE) de cada um. Diferentemente da análise que eu fiz no ano passado, sobre as disputas no Mar do Sul da China à luz do Direito do Mar, aqui não pretendo tentar achar nem uma resposta ou solução para tal conflito, nem dizer quem está certo ou errado, não sou pretencioso de achar que tenho tais respostas. Assim, pretendo apenas informar sobre a existência de mais um conflito no Oriente Médio. Mas, por que esse especificamente? Primeiro porque me interesso por disputas marítimas. E, segundo, porque 200 militares brasileiros estão nessa fronteira integrando a Força Tarefa Marítima (FTM) da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (UNIFIL, do inglês United Nations Interim Force in Lebanon). Portanto, qualquer beligerância na região, principalmente no mar, deveria ser do nosso interesse e ter nossa redobrada atenção. Continuar lendo

O TPP, o Congresso americano e o Brasil.

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

            A Parceria Transpacífica (TPP do inglês Trans Pacific Partnership) é um acordo para a criação de uma área de livre-comércio (ALC) entre os EUA, Canadá, México, Japão, Austrália, Nova Zelândia, Vietnã, Brunei, Chile, Peru, Malásia e Cingapura. Os seus termos foram acertados em uma reunião de ministros na última segunda-feira, dia 5 de outubro, em Atlanta nos EUA. Esse acordo teve as suas negociações iniciadas em 2006, mas só agora todas as partes concordaram com todos os termos. Como sempre, para entrar em vigor, ele ainda precisará ser ratificado por todos os congressos e parlamentos dos 12 países envolvidos. O mais importante é o Congresso americano, por ser a maior incógnita. Passa ou não passa, eis a questão? Neste post falarei sobre o acordo em si e tentarei analisar a disputa entre os partidos norte-americanos para tentar chegar a uma resposta a pergunta acima. Por fim, tentarei ver como o TPP afeta o Brasil.

TPP-Countries

(BRICS Plus) – Países que participam do TPP.

Continuar lendo

A Atual Crise e a Política Externa Brasileira.

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

12345Se você abrir agora a página de qualquer jornal de notícias brasileiro, a primeira notícia será, muito provavelmente, algo relacionado à nossa economia e à tão falada crise que nós estamos passando. Como nós chegamos a ela, como sair e (o que todos sempre gostam) os seus culpados, são assuntos que poderiam preencher alguns posts, por isso não vou me concentrar nisso. Pretendo aqui brevemente analisar como a nossa atual situação econômica pode estar influenciando a nossa política externa, para o bem e/ou para o mal. Continuar lendo

O Acordo Nuclear entre o P5+1 e o Irã saiu!

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

12345Finalmente saiu! Depois de 12 anos, várias propostas, idas e vindas, muitas acusações e muita desconfiança de ambos os lados, saiu um acordo final entre os Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha (o chamado P5+1 ou UE3+3) e o Irã sobre o programa nuclear iraniano. O chamado Plano Compreensivo de Ação Conjunta (JCPOA, sigla em inglês para Joint Comprehensive Plan of Action) foi assinado pelos 7 países e pela Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em Viena na última terça-feira, dia 14 de julho, e marca uma mudança histórica nas relações entre o Irã com o resto do mundo, principalmente com os EUA e a Europa. Mas, o que é esse acordo? Por que ele é importante? E, por que um acordo era necessário? Espero conseguir responder a essas questões agora.

Reuters/Carlos Barria - Ministros do P5+1 e delegação iraniana na sede da ONU em Viena no dia 14 de julho. Da direita para a esquerda: chinês alemão, Federica Mogherini, Mohammad Javad Zarif, Ali Akbar Salehi (chefe da Organização de Energia Atômica do Irã), Sergey Lavrov, Philip Hammond e John Kerry

Reuters/Carlos Barria – Ministros do P5+1 e delegação iraniana na sede da ONU em Viena, 14 de julho. Da esquerda para a direita: Wang Yi, Laurent Fabius, Frank-Walter Steinmeier, Federica Mogherini (Chefe de Política Externa da UE), Mohammad Javad Zarif, Ali Akbar Salehi (chefe da Organização de Energia Atômica do Irã), Sergey Lavrov, Philip Hammond e John Kerry

Continuar lendo

Mar do Sul da China e o Direito do Mar

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

            Já tem algum tempo que eu discuto com os meus amigos e professores sobre a China. Mais especificamente, sobre o seu crescente hábito de “criar ilhas”. Desde o ano passado, Pequim transformou recifes, rochedos e ilhotas em ilhas com capacidade de servir de pista de pouso para aviões militares[1]. Essas construções localizam-se ao Sul do Mar do Sul da China, sendo mais próximas às Filipinas, à Malásia e a Brunei, países que também disputam a posse dessas ilhas, que da China continental. Por fim, o governo de Pequim expandiu a sua “soberania” abrangendo toda essa área alegando que precisa proteger o seu território e que as suas ações estão de acordo com o Direito do Mar, como previsto pela Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM). Em suma, está uma confusão. O pior é que essas ações interferem diretamente com os interesses de países de dentro e de fora da região, o que eleva muito as tensões nesse local, mas isso não será totalmente abordado neste post. O que eu pretendo fazer é confrontar as ações chinesas com o Direito do Mar e as suas consequências.

Ilhas Spratly (The Economist)

Ilhas Spratly/Nansha (The Economist)

Continuar lendo

A esquizofrenia da política internacional: caso da Alemanha.

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

            Em junho de 2013 o mundo ficou estarrecido quando Edward Snowden revelou o esquema de espionagem mundial que os Estados Unidos desenvolveram através da sua Agência Nacional de Segurança (NSA, da sigla em inglês National Security Agency). A partir desse momento, toda semana ficávamos mais surpresos com a capacidade tecnológica dos EUA e os seus alvos, ou seja, quem eles estavam espionando, o que dura até hoje. Vimos a nossa presidente, a Petrobras, o governo da França, da Alemanha, a própria OTAN e a União Europeia (UE) sendo espionados. Ou seja, aliados declarados e não aliados. Isso levou a diversas reações de protesto. A Presidente Dilma cancelou uma visita de Estado aos EUA e a Chanceler alemã Angela Merkel expulsou o mais alto representante da Agência Central de Inteligência (CIA, da sigla em inglês Central Intelligence Agency) do seu país[1]. Porém, nesta semana, essa mesma Chanceler foi acusada de estar espionando a França e a UE e passando essas informações para os EUA. Ironia, não acham? Deixem-me falar um pouco mais sobre essa esquizofrenia.

Tirado de O GLOBO COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS em "Revelação de que Alemanha espionou França e europeus a pedido da NSA causa mal-estar."

Obama e Merkel brindam em encontro de 2013 – Michael Sohn/Reuters.

Continuar lendo

Jogando Petróleo no Ventilador Parte 2

por Sergio Azeredo da Silveira Jordão.

12345Minha vez. Vou me focar em outras regiões, principalmente as consequências para o Irã, Síria, Estado Islâmico (EI ou ISIS, sigla em inglês para Islamic State of Iraq and Syria), Rússia, China e Japão. Vou começar pelo mais complicado, pelo Oriente Médio. Acho importante fazer um pequeno resumo do ator que nós tanto falamos, a Arábia Saudita. O Reino da Arábia Saudita se consolidou como país em 1932, mas só descobriu petróleo em 1938. Hoje, ele é o maior produtor de petróleo do mundo (16% da produção mundial), uma das maiores reservas existentes, 266 bilhões de barris[1], e líder político da OPEP. O maior aliado árabe do Ocidente é uma monarquia regida pela religião sunita wahabista (vertente ultraconservadora do islamismo sunita), sua constituição é a sharia (lei islâmica baseada no Alcorão), todo o poder está concentrado nas mãos do Rei, não existem partidos políticos e as minorias são perseguidas/marginalizadas (como prevê o wahabismo). Essas características ajudam a explicar algumas das nossas suposições para o país manter o preço do petróleo baixo. Continuar lendo

Jogando Petróleo no Ventilador Parte 1

por Felipe Teixeira

Quando a Arábia Saudita – tida como líder político da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) – trouxe sua agenda política para os mercados internacionais de petróleo o mundo tremeu. Foi um golpe astuto, executado de forma que seus danos foram pequenos quando comparados aos de seus inimigos. A decisão da OPEP foi que os preços do petróleo iriam cair (e muito). Esse movimento mudou o cenário político mundial e nós estamos aqui para lhe contar o bafafa que isso deu![1]

Sergio e Felipe fizeram esses dois posts para lhes contar o que aconteceu com o mundo quando a Arábia Saudita decide brincar de jogar o petróleo no ventilador.

Jogando Petróleo no ventilador, Parte 1: Continuar lendo